quarta-feira, Março 17, 2010

Hipotermia Induzida para Tratamento da Asfixia Neonatal


Serviço de Neonatologia do Departamento da Criança e da Família – Hospital de Santa Maria do Centro Hospitalar Lisboa Norte pioneiro na Introdução da Hipotermia Induzida para o Tratamento da Asfixia Neonatal

Apesar de constituir o fenómeno mais natural na vida de um ser humano, o nascimento pode ocasionalmente provocar danos mais ou menos importantes no recém-nascido, já que constitui sempre um processo que envolve um stress de maior ou menor intensidade.
Ao longo do tempo tem-se procurado evitar estas situações, melhorando o controlo das grávidas e da saúde do feto bem como as condições de assistência ao parto. Este esforço tem tido reflexos muito positivos nos indicadores de saúde, nomeadamente no nosso país.
Dentro das consequências menos desejáveis desse stress, a encefalopatia hipóxico-isquémica constitui uma das mais temíveis, pois acompanha-se por vezes, de consequências mais ou menos graves para o sistema nervoso central do bebé.
A encefalopatia hipóxico-isquémica é um quadro muito grave de asfixia neonatal, causada por complicações ocorridas ao nível da vigilância do trabalho de parto, do próprio parto ou da reanimação do bebé.
Em Portugal, estima-se que a incidência aproximada de casos de encefalopatia hipóxico-isquémica se situe num valor entre 100 a 400 casos por ano.
Diversas técnicas e medicamentos já foram testados para o seu tratamento mas, até agora, não foi comprovada a eficácia de nenhum deles na redução daquelas sequelas.
Procurando contribuir para a resolução deste problema, foi recentemente utilizada a hipotermia induzida, uma técnica inovadora, sem risco acrescido, que consiste no arrefecimento controlado da temperatura corporal do recém-nascido em risco, arrefecimento este que atinge os 33,5ºC durante 72 horas.
Nos últimos anos esta técnica foi testada em centenas de casos, principalmente no Reino Unido, sendo considerada como um procedimento de eficácia comprovada na diminuição, e por vezes na anulação, das sequelas da encefalopatia hipóxico-isquémica, desde que iniciada precocemente após o nascimento, de preferência até às seis horas de vida.
A literatura existente sobre esta terapêutica, baseada nos resultados preliminares de series já relativamente significativas, aponta para uma redução típica de um caso de sequelas neurológicas graves por cada seis recém-nascidos tratados.
Perante resultados tão promissores, a hipotermia induzida tem-se afirmado, desde 2008, como “standard of care” para o tratamento de recém-nascidos com encefalopatia hipóxico-isquémica no Reino Unido.
Em Portugal, dada a inexistência de terapêutica farmacológica eficaz, estes bebés eram, até muito recentemente, apenas tratados com a instituição de cuidados intensivos (terapêutica de suporte).
Em finais de 2009, e perante a evidência do real benefício da hipotermia induzida, a Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais (UCIN) do Serviço de Neonatologia do Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte, decidiu iniciar a sua utilização em Portugal, procedendo à aquisição do respectivo equipamento e ao treino específico de médicos e enfermeiras.
De acordo com o Dr. Carlos Moniz, Director do Serviço de Neonatologia, este salto qualitativo foi possível porque no Hospital de Santa Maria já existiam um conjunto de áreas específicas da Especialidade de Pediatria (neurologia, nefrologia, doenças metabólicas e cardiologia, por exemplo) e outros equipamentos de apoio fundamentais (entre os quais, mencionamos a monitorização cerebral contínua e a ressonância magnética).
Nas palavras do Director do Serviço de Neonatologia, o Hospital de Santa Maria reúne hoje todas as condições para o cumprimento rigoroso dos protocolos associados à técnica, para além de ter capacidade para ser integrado em linhas de registo internacionais, sendo comparável a unidades europeias de referência nessa área.
«Não temos a mesma experiência, apenas tratámos quatro casos. Mas há sempre um início, vamos certamente ser confrontados com dificuldades, algumas alegrias e alguns insucessos. Mas isso faz parte da vida do Pediatra. Temos que ter um bocadinho de audácia, embora bem controlada, para podermos progredir. E temos conseguido muito bem, pois nas áreas da Neonatologia, Portugal é um dos países europeus com melhores taxas de mortalidade neonatal e somos considerados, pela Organização Mundial da Saúde, como referência para os países que não têm indicadores de mortalidade neonatal e perinatal ainda aceitáveis», concluiu o Dr. Carlos Moniz.
O primeiro recém-nascido, em Portugal, tratado com hipotermia induzida foi admitido na UCIN no passado dia 29 de Janeiro de 2010 e desde então, outros têm podido beneficiar deste tipo de tratamento.
Trata-se de bebés nascidos no Hospital de Santa Maria ou noutros hospitais mas que posteriormente foram referenciados com esta finalidade específica.
Para que a referenciação seja possível, os recém-nascidos devem preencher determinados critérios clínicos, pelo que nem todos podem ser submetidos a esta terapêutica. Além disso, o transporte deve ser efectuado em condições de hipotermia passiva (a temperatura corporal deve situar-se entre 34,5 e 35º C), o que implica uma preparação específica dos centros que referenciam esses recém-nascidos, assim como da unidade de transporte dos mesmos.
Em todos os casos atendidos no Hospital de Santa Maria tem havido um redobrado controlo destes doentes e, embora seja ainda muito cedo para fazer um balanço aprofundado dos benefícios desta terapêutica, pode desde já afirmar-se que a sua introdução em Portugal constituiu um avanço substancial nos cuidados prestados aos nossos recém-nascidos de risco.

A hipotermia induzida, largamente testada no estrangeiro, é considerada como um procedimento de eficácia comprovada na diminuição, e por vezes na anulação, das sequelas da asfixia neonatal, desde que iniciada precocemente após o nascimento.

A hipotermia induzida consiste no arrefecimento controlado da temperatura corporal do recém-nascido em risco até aos 33,5ºC durante 72 horas

9 comentários:

Gina disse...

O Marcos foi o primeiro bébé a ser tratado em Portugal, e vocês estarão sempre todos no meu coração. Muito Obrigada!

Anónimo disse...

A minha neta, está neste momento a ser tratada e pelo que sei , bem tratada.O meu muito obrigada a todos e Deus permita que ainda dê muitos colinhos a esta menina tão desejada por todos.M.A.A.

Selma disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Selma disse...

Boa Noite a tds. neste momento a minha linda filha esta a ser tratada por esta nova terapia(Tecnica) fiquei muito feliz com este doc. e sei q minha linda menina esta primeiramente na mão de Deus e depois muito bem acompanhda pela equipa na neonatal, e deste tratamento q com certeza foi criado por Deus, para ajudar os nossos pequeninos, muito obrigado a tds e que Deus continue iluminando aos especialista para cd vez mais aperfeiçoar esta iluminada terapia.

Vilmar disse...

Qual a finalidade da hipotermia induzida?

Anónimo disse...

A minha filhota está neste momento a recuperar deste tratamento devido a uma E. hipoxico-inquémica durante o parto, asfixia cerebral, no caso da minha pequena, pode ter sido ligeira mas no hospital de Santa Maria não quiseram arriscar a vida de uma criança saudável á partida... então utilizaram este tratamento o que eu desde já agradeço, para os pais que lerem isto... sim é assustador ver os nossos filhos nesta situação, mas é mais assustador ainda se não houver nenhuma hipotese de tratamente e agora existe! Pelo menos um a possibilidade das nossas crianças ficarem bem. E tudo custa, não poder dar logo colo nem mimo aos nossos filhos, mas vale tudo apena... As pessoas que cuidam da minha filha, desde os medicos ás enfermeiras, têm sido incansáveis relativamente a tudo, são de uma extrema humanidade e têm muito carinho por nós desde o inicio, pois percebem o que estamos a passar. Eu espero que a minha filha saia depressa e bem do hospital, mas levo todos no coração, e vou fazer questão de ajudar no que puder este serviço, façam o mesmo. É evolução na investigação da medicina, nós é que usufruímos disso.

António Jesus disse...

A minha filha foi o 13º bebé (Bebé Morais) a ser submetido ao tratamento de hipotermia induzida no Serviço UCERN do H. Santa Maria, isto após um nascimento no dia 9 de Setembro de 2010 no Hosp. São João. Nasceu numa quadro de encefalopatia hipóxico-isquémica devido a ruptura da vasa prévia.
Hoje, passados 9 meses, a Maria João é um caso de pleno sucesso e de esperança para todos que tenham que passar por esta situação, desde Pais e Profissionais de Saúde.

O Pai, António Jesus

Anabela Ferro disse...

Olá boa tarde,sou a tia de uma menina que neste momento,está a passar pelo mesmo processo,foi submetida ao tratamento de hipotermia induzida na maternidade Alfredo da costa.
venho pedir aqui uma ajuda aos pais que passaram pelo mesmo,se poderem ajudar com o seu testemunho.qual a reacção dos seus bebés após o tratamento,estamos muito ansiosos..
obrigada Maria

Anónimo disse...

Boa tarde, tambem passei pelo mesmo, foi na MAC em Agosto de 2010, o meu filho teve de fazer a hipotermia induzida durante 72 horas, passou-nos o pior pela cabeça mas recuperou muito bem, graças a Deus correu tudo bem, o Afonso hoje tem 3 anos e é uma criança completamente normal :) muita força!